ANIMAVITA

Polimialgia Reumática

Post by in Dor Crônica
Polimialgia Reumática Polimialgia Reumática AnimaVita Brasília

Polimialgia Reumática - PMR é uma doença que acomete idosos e causa dor, rigidez em cinturas escapular e pélvica com alta morbidade

 

Polimialgia Reumática:



O que é Polimialgia Reumática?

 

A Polimialgia reumática (PMR) é uma doença que acomete indivíduos maiores que 50 anos caracterizada por dor, fraqueza e rigidez em ombros, braços, pescoço, quadris, coxas e região lombar inferior. Ocasionalmente, a dor pode acometer também pulsos e mãos.

Geralmente afeta os dois lados do corpo de maneira simétrica

A dor tende a ser pior pela manhã e diminuir com o passar do dia.

Muito tempo em uma determinada posição como em viagens de carro ou assistindo TV no sofá podem levar a piora da rigidez e da dor quando a pessoa se levanta.



Generalidades:

 

  • Geralmente afeta adultos com mais de 60 anos
  • 50% das pessoas com arterite temporal tem polimialgia reumática e 15% das pessoas com PMR tem arterite temporal
  • idade média de uma pessoa que tem PMR é de cerca de 70 anos.
  • As mulheres tem duas vezes mais probabilidade de sofrer de PMR cque os homens

 





Quadro Clínico:

 

Há uma grande variedade de sintomas que caracterizam a polimialgia reumática. Os sintomas clássicos incluem:

Dor e rigidez (moderada a grave) em cinturas escapular e pélvica ou seja ombros, região cervical -pescoço e quadris

Fadiga e falta de apetite (possivelmente levando à perda de peso) também são indicativos de polimialgia reumática.

Anemia

Febre baixa



Causas:

 

A causa do PMR não é bem compreendida.

Possivelmente a dor e a rigidez são resultado da atividade de células inflamatórias e anticorpos que são normalmente parte do sistema de defesa do corpo que combate a doenças infecciosas. A atividade inflamatória parece concentrar-se nos músculos e tecidos circundantes das articulações afetadas.

As células de defesa do organismo e os anticorpos por uma razão desconhecida atacam os músculos e o revestimento das articulações, causando inflamação, dor e rigidez.

Estudos demonstram que os fatores hereditários desempenham também um papel na probabilidade de um indivíduo vir a desenvolver polimialgia reumática. O antígeno leucocitário humano HLA-DR4 e autos níveis de interleucina-6 tem sido apontados como fatores associados.

Especula-se que uma doença viral em indivíduos predispostos pode ser um fator desencadeante. Vários tipos de vírus foram identificados como possíveis gatilhos para PMR. Os vírus que estariam envolvidas incluem o adenovírus, que causa infcções respiratórias, o parvovírus B19, uma infecção que afeta crianças, e o . Parainfluenza.

Entretanto, não provas definitivas que suportem a teorias da etiologia viral.

 


 Diagnóstico:

 

Não há nenhum teste específico para o diagnóstico de polimialgia reumática. Um exame clínico bem feito após uma história clínica completa e pormenorizada pode ser a chave do diagnóstico correto. Os testes de inflamação como o VHS – velocidade de hemossedimentação e o PCR – proteina C reativa, principalemente o primeiro, são importantes no estabelecimento do diagnóstico. Entretanto muitas outras doenças podem causar a elevação destes marcadores, ou seja, não são específicos para a PMR.

A Polimialgia reumática é por vezes associada a arterite temporal, uma condição que requer tratamento mais agressivo. Para o diagnóstico da arterite temporal uma biópsia da artéria pode ser considerada.



Tratamento:

 

A Polimialgia Reumática (PMR) é uma doença crônica e auto-limitada.

A terapêutica é baseada em experiências empíricas, visto que poucos ensaios clínicos randomizados estão disponíveis para orientar as decisões de tratamento.

Corticosteróides (ou seja, prednisona) é considerado o tratamento de escolha, porque via de regra, levam a resolução completa dos sintomas e diminuição da velocidade de hemossedimentação – VHS. Entretanto, não há nenhuma evidência definitiva que demonstra que os corticosteróides (ou qualquer outra terapia) altera a história natural de PMR.

Prednisona é a droga de escolha para PMR e a duração do tratamento é frequentemente maior do que um ano. Se o paciente não sente uma dramática melhora após três dias de prednisona, o diagnóstico deve ser reconsiderado.

Anti-inflamatórios não esteróides (AINE), tais como o ibuprofeno ou diclofenaco são ineficazes para o tratamento inicial de PMR, mas podem ser utilizado em conjunto com a dose de manutenção de corticosteróides.

 

Anti-TNFs também têm sido investigados como poupadores de corticóide na PMR. Um estudo randomizado com infliximabe não revelou nenhum benefício. Azatioprina (150 mg / d) durante a fase de manutenção da PMR mostrou uma alta freqüência de reações adversas a medicamentos,

Como adjuvante ao tratamento medicamentoso, os pacientes são incentivados a realizar exercícios físicos regulares e manter um hábito alimentar saudável. Os exercícios podem ajudar a fortalecer a musculatura e ajuda a evitar ganho de peso comum quando do uso dos corticosteróides. Uma dieta saudável vai ajudar a manter fortes o sistema imunológico, ossos e músculos. Dieta rica em frutas, legumes, cereais integrais e com baixo teor de gordura são recomendados.

 

 

Referências Bibliográficas:

 

  1. Gonzalez-Gay MA, Vazquez-Rodriguez TR, Lopez-Diaz MJ, Miranda-Filloy JA, Gonzalez-Juanatey C, Martin J, et al. Epidemiologia da arterite de células gigantes e reumática. Polimialgia Rheum artrite . 15 de outubro de 2009,. 61 (10) :1454-61 [Medline] .

  2. Ghosh P, Borg FA, Dasgupta compreensão B. Atual e gestão de arterite de células gigantes e polimialgia reumática. Especialista Rev Clin Immunol . Novembro 2010,. 6 (6) :913-28 [Medline] .

  3. Salvarani C, F Cantini, Hunder GG. Polimialgia reumática e arterite de células gigantes. Lancet . 19 julho de 2008,. 372 (9634) :234-45 [Medline] .

  4. Martinez-Taboada VM, Alvarez L, M RuizSoto, Marin-Vidalled MJ, Lopez-Hoyos M. arterite de células gigantes e polimialgia reumática: papel das citocinas na patogênese e as implicações para o tratamento.citocinas . Novembro 2008; 44 (2) :207-20. [Medline] .

  5. Caporali R, Cimmino MA, Ferraccioli G, R Gerli, Klersy C, Salvarani C, et al. Metotrexato mais prednisona por polimialgia reumática: um estudo randomizado, duplo-cego, controlado com placebo. Ann Intern Med. .05 de outubro de 2004,. 141 (7) :493-500 [Medline] .

  6. De Silva M, Hazleman BL. Azatioprina em células gigantes arterite / polimialgia reumática: um estudo duplo-cego. Rheum Dis Ann . Fevereiro 1986,. 45 (2) :136-8 [Medline] . [Texto completo] .

  7. González-Gay MA, García-Porrúa C, Vázquez-Caruncho M, Dababneh A, Hajeer A, Ollier WE. O espectro de polimialgia reumática no noroeste da Espanha: incidência e análise de variáveis associadas com a recaída em um estudo de 10 anos. J Reumatol . Junho 1999; 26 (6) :1326-32. [Medline] .

  8. Ferraccioli G, Salaffi F, De Vita S, Casatta L, Bartoli E. Metotrexato em polimialgia reumática: resultados preliminares de um estudo aberto, randomizado. J Reumatol . Abril 1996,. 23 (4) :624-8 [Medline] .

  9. Gonzalez-Gay MA, Garcia-Porrua C, Miranda-Filloy JA, Martin J. arterite de células gigantes e polimialgia reumática:. Fisiopatologia e gestão Drogas Envelhecimento . 2006; 23 (8) :627-49. [Medline] .

  10. Wilke WS. O papel da imagem na polimialgia reumática / arterite de células gigantes. esquelético Radiol .Setembro 2008;. 37 (9) :779-83 [Medline] .

  11. Salvarani C, Macchioni P, Manzini C, et al. Infliximab mais prednisona ou placebo mais prednisona para o tratamento inicial de polimialgia reumática:. Um estudo randomizado Ann Intern Med. . 01 de maio de 2007;. 146 (9) :631-9 [Medline] .

  12. Healey LA. Longo prazo de acompanhamento de polimialgia reumática: evidência de sinovite. Semin Rheum artrite . Maio de 1984;. 13 (4) :322-8 [Medline] .

  13. Blockmans D. PET nas vasculites. Ann NY Acad . Junho 2011, 1228:64-70. [Medline] .

  14. Salvarani C, Cantini F, L Boiardi, Hunder GG. Polimialgia reumática e arterite de células gigantes. N Engl J Med . 25 de julho de 2002;. 347 (4) :261-71 [Medline] .

  15. Healey LA. Longo prazo de acompanhamento de polimialgia reumática: evidência de sinovite. Semin Rheum artrite . Maio de 1984;. 13 (4) :322-8 [Medline] .

  16. Dasgupta B, Cimmino MA, Maradit Kremers-H, Schmidt WA, Schirmer M, Salvarani C, et al. 2012 provisórias critérios de classificação para polimialgia reumática: a Liga Europeia Contra o Reumatismo / American College of Rheumatology iniciativa colaborativa. Rheum Dis Ann . Abril 2012,. 71 (4) :484-92[Medline] .

  17. Salvarani C, Cantini F, P Macchioni, Olivieri I, Niccoli L, Padula A, et al. Distais manifestações músculo-esqueléticas em polimialgia reumática: um estudo de seguimento prospectivo. Rheum artrite . Jul 1998,. 41 (7) :1221-6 [Medline] .

  18. Cantini F, Salvarani C, Olivieri I, et al. VHS e proteína C-reativa na avaliação da atividade da doença e da gravidade na polimialgia reumática:. Prospectivo estudo de seguimento Semin Rheum artrite . Agosto 2000, 30 (1) :17-24. [Medline] .

  19. Hernández-Rodríguez J, MC Cid, López-Soto A, Espigol-Frigole G, Bosch Tratamento X. de polimialgia reumática:. Uma revisão sistemática Arch Intern Med . 09 de novembro de 2009;. 169 (20) :1839-50[Medline] .

  20. Michet CJ, Matteson EL. Polimialgia reumática. BMJ . 05 de abril de 2008;. 336 (7647) :765-9 [Medline] .[Texto completo] .

  21. Matteson EL, Maradit Kremers-H, Cimmino MA, Schmidt WA, Schirmer M, Salvarani C, et al. Paciente apresentado os resultados na polimialgia reumática. J Reumatol . Abril 2012,. 39 (4) :795-803 [Medline] .

  22. Kermani TA, Warrington KJ. Vasculite inferiores em polimialgia reumática e arterite de células gigantes.Curr Opin Reumatol . Janeiro 2011,. 23 (1) :38-42 [Medline] . [Texto completo] .

  1. Dejaco C, Duftner C, Cimmino MA, et al. Definição de remissão e recidiva na polimialgia reumática: dados de uma pesquisa bibliográfica em comparação com um consenso entre os especialistas Delphi-based.Rheum Dis Ann . Março 2011;. 70 (3) :447-53 [Medline] . [Texto completo] .

  2. Leeb BF, Bird HA, Nesher G, et al. EULAR critérios de resposta para polimialgia reumática: resultados de uma iniciativa da União Europeia Colaborador Polimialgia Reumática Group (subcomissão de ESCISIT).Rheum Dis Ann . Dezembro 2003,. 62 (12) :1189-94 [Medline] . [Texto completo] .

  3. Gabriel SE, Sunku J, C Salvarani, O'Fallon WM, Hunder GG. Resultados adversos da terapia anti-inflamatórios em pacientes com polimialgia reumática. Rheum artrite . Outubro 1997,. 40 (10) :1873-8[Medline] .

 

AnimaVita Brasilia

Usuário Geral de todos os profissionais da clínica AnimaVita Brasília.

Website: www.animavita.com.br

Clínica da dor

 
 
   
Você está aqui: Clínica da Dor Dor crônica Polimialgia Reumática