ANIMAVITA

Epicondilite Featured

Post by in Dor Crônica
Tennis Elbow - Epicondilite Tennis Elbow - Epicondilite AnimaVita Brasília

 

Epicondilite consiste na inflamação dos tendões dos cotovelos. Veja as causas, sintomas principais e tratamentos

 

 

Epicondilite:

 

 

O que é:

 

    A epicondilite pode ser epicondilite lateral ou epicondilite medial, também é denominada de cotovelo de tenista, é uma inflamação dos tendões do cotovelo, atingindo em especial, os músculos extensores do punho e dos dedos.

      Esta afeccção pode ter diversas causas, por exemplo, atividades que exigem uso excessivo dos músculos extensores do punho ou dos pronadores do antebraço. Aproximadamente, metade das pessoas que praticam tênis são acometidas por esta inflamação, assim como jogadores de squashbasquete, praticantes de esgrimalançamento de dardo, entre outros. No entanto, a epicondilite pode acometer trabalhadores que realizam suas atividades de forma inadequada, como por exemplo, digitadores ou pessoas que utilizam com muita frequência o computador sem que sejam tomadas as medidas adequadas. Pode também atingir pessoas sedentárias que não praticam atividade física. Não se sabe ao certo se uma única causa pode ser responsável pelo aparecimento da Epicondilite. Sabe-se que é uma patologia causada por múltiplos fatores, entre eles o uso continuo de determinada musculatura que, não estando preparada, acaba sendo lesada. O uso abusivo não é a única causa já que alguns pacientes que apresentam dor nunca realizaram esforço físico. Então se especula que exista uma predisposição genética para a dor local. Um trauma único também pode ser responsável pelo aparecimento dos sintomas.

    Exames de imagem como as radiografias e ultrassonografia (ecografia) são solicitados em caso de dúvida no diagnóstico. Também servem para confirmar a doença e para descartar outras patologias que causam dor no local.



 

Quadro Clínico:

 

      Geralmente causa dor na parte de fora do cotovelo (lateral), mas também pode acontecer na porção interna (medial). A ocorrência maior de epicondilite está em homens de 35 à 50 anos. A falta de força dos músculos que agem no punho e dedos se deve a dor e não por fraqueza ou inflamação dos tendões. Sempre que o paciente sente dor, fica impossibilitado de fazer o movimento completo, e isso é percebido como uma fraqueza. O início dos sintomas pode ser repentino ou gradual. Geralmente o paciente apresenta dor ao fazer esforços com a palma da mão para baixo, ou seja, ao esticar o punho. Também os movimentos de giro do punho e antebraço causam dor. Com a evolução do problema, atividades cotidianas como escovar os dentes, pegar uma xícara de café ou uma pasta com documentos, podem provocar dor.

 

 

Tratamento:

 

    O tratamento clássico para a epicondilite lateral do cotovelo é realizado com o uso de gelo, medicações antiinflamatórias e fisioterapia. Em casos de crises de dor, pode-se imobilizar o cotovelo e o punho. Deve-se ter em mente que o tratamento é demorado, uma vez que o processo de instalação da doença também ocorreu de forma lenta. A ortotripsia ou Terapia por Ondas de choque tem sido considerado o tratamento de escolha tanto para epicondilite lateral quanto medial

 

Prevenção da epicondilite 

 

      Quando o problema é relacionado à prática de algum esporte, deve-se ter muito cuidado com a técnica utilizada e a qualidade dos equipamentos. Alguns conselhos que devem ser seguidos antes de todas as atividades físicas também valem para a prevenção da epicondilite. O aquecimento da musculatura antes da prática esportiva deve ser feito sempre por um período mínimo de quinze minutos. Além disso, após o exercício o atleta também deve alongar os músculos e tendões. O fortalecimento dos grupos musculares que serão forçados durante a atividade física, também pode evitar a sua sobrecarga e o aparecimento de lesões.



 

Referências Bibliográficas:

 

1. Lech O, Piluski P, Severo AL. Epicondilitelateral do cotovelo. Rev Bras Ortop2003;38:421-36. 2. Nirschl RP. Muscle and tendon trauma:tennis elbow tendinosis. In: The elbow anditdisorders. rded. Philadelphia: Saunders;2000. p.523-35. 3. Boyer MI, Hastings H. Lateral tenniselbow: “is there a science out there?” JShoulder Elbow Surg 1999;8:481-91. 4. Buchbinder R, Green SE, Youd JM,Assendelft WJ, Barnsley L, Smidt N.Shock wavem for therapylateral elbow pain.Cochrane Database Syst Rev 2005;(4):CD003524. 5. Haake M, König IR, Decker T, Riedel C,Buch M, Müller HH, et al. Extracorporealshock wave therapy in the treatment of lateral epicondylitis: a randomizedmulticenter trial. J Bone Joint Surg Am2002;84:1982-91. 6. Melikyan EY, Shahin E, Miles J,Bainbridge LC. Extracorporeal shock-wavetreatment for tennis elbow. A randomizedouble-blind study. J Bone Joint Surg Br2003;85:852-5. 7. Speed CA, Nichols D, Richards C,Humphreys H, Wies JT, Burnet S, et al.Extracorporeal shock wave therapy for lateral epicondylitis: a double blindrandomised controlled trial. J Orthop Res2002;20:895-8. 8. Chung B, Wiley JP. Effectiveness ofextracorporeal shock wave therapy in thetreatment of previously untreated lateralepicondylitis: a randomized controlled trial.Am J Sports Med 2004;32:1660-7. 9. Crowther MA, Bannister GC, Huma H,Rooker GD. A prospective, randomizedstudy to compare extracorporeal shock-wavetherapy and injection of steroid for thetreatment of tennis elbow. J Bone JointSurg Br 2002;84:678-9. 10. Lebrun CM. Low-dose extracorporeal shockwave therapy for previously untreated lateral epicondylitis. Clin J Sport Med2005;15:401-2.

AnimaVita Brasilia

Usuário Geral de todos os profissionais da clínica AnimaVita Brasília.

Website: www.animavita.com.br

Clínica da dor

 
 
   
Você está aqui: Clínica da Dor Dor crônica Epicondilite